NFT e mercado imobiliário: esses caminhos já se cruzaram?

NFT e mercado imobiliário: esses caminhos já se cruzaram?

À medida que a tecnologia evolui ao lado da sociedade, quase todos os aspectos da vida mudam cada vez mais para o espaço virtual. Uma adição surpreendente à lista de atividades que podem ser feitas nessa seara é a compra de propriedades imobiliárias NFT. Parece que os caminhos do NFT e do mercado imobiliário, portanto, já se cruzaram. 

Você provavelmente já ouviu falar de NFTs e pode até ser que saiba que significa “tokens não fungíveis”. Também é notório que os NFTs entraram para o cenário da arte digital, principalmente no início e meados de 2021. Mas você pode ficar chocado ao saber que também pode comprar propriedades blockchain que estão disponíveis apenas no mundo digital. 

E isso não é tudo: algumas propriedades NFT vêm com edifícios reais da vida real. E esses edifícios digitais estão influenciando significativamente o projeto e a construção de propriedades no mundo. 

 

O fenômeno virtual metaverso, NFT e mercado imobiliário 

Mars House

No final de 2020, o mundo teve o primeiro indício de que NFT e mercado imobiliário já estavam interligados. Uma obra de arte digital – Mars House de Krista Kim – foi vendida por mais de US$ 500 mil durante um leilão da Sotheby’s. Foi apelidada como a “primeira casa digital NFT” a ser vendida. Mas esse não é o único imóvel virtual – mais conhecido como metaverso – no mercado. 

Se você quiser fazer um tour pela Mars House, basta acessar o site da sua criadora em https://www.kristakimstudio.com/home2.  

De acordo com o site de rastreamento NFT NonFungible.com, um lote no Decentraland foi vendido por US$ 283.567 e uma propriedade Sommium Space por mais de US$ 500 mil. Nesses metaversos, as pessoas vão a cassinos e vão a lugares badalados do centro da cidade com amigos – exatamente do jeito que você faria na vida real.

Existem diferentes tipos de metaversos que atraem diferentes grupos de pessoas. Os metaversos com mais conteúdo – como shoppings e museus – trazem o maior “tráfego de pedestres” digital. Pense em como, na vida real, os jovens tendem a gostar das cidades urbanas, enquanto as famílias gravitam em torno dos subúrbios. É a mesma lógica por trás desses mundos virtuais. 

O Blog do CV já abordou o tema do metaverso por aqui no artigo “Metaverso: como o conceito impacta o mercado imobiliário?”.  

 

Tudo começou com blockchain e criptomoeda 

O conceito de blockchain e criptomoeda foi apresentado ao público em 2008. Criptomoeda – como Bitcoin e Dogecoin – é dinheiro digital que vive no blockchain, um sistema de contabilidade virtual. Moedas reais, como dólares americanos e euros, são trocadas por criptomoeda; cada criptomoeda tem uma taxa de câmbio diferente, semelhante às taxas de câmbio internacionais. 

Assim como as pessoas adotaram dispositivos móveis em uma escala exponencial nos últimos 20 anos, vemos uma tendência semelhante com a tecnologia blockchain e criptomoeda. Muitas tecnologias blockchain fornecem uma maneira de criptografar e proteger com segurança as transações que ocorrem online.  

À medida que as pessoas se tornam cada vez mais dependentes dos dispositivos da Internet das Coisas (IoT) como um modo de vida, a tecnologia blockchain continuará a crescer e se tornar popular. Portanto, não é surpresa que a nova tendência no espaço digital seja comprar e investir em imóveis virtuais.  

Pense em quando as plataformas de mídia social começaram a surgir. Havia ceticismo sobre o sucesso e longevidade das plataformas, muitos declarando que era apenas uma moda passageira. Olhe para onde essas redes sociais estão agora. O mesmo boom pode acontecer com metaversos, NFT e mercado imobiliário, através de outras propriedades imobiliárias digitais. 

 

Imóveis Virtuais X Imóveis Físicos 

Os imóveis virtuais não são tão diferentes dos imóveis físicos – exceto pelo fato de que você não pode morar “fisicamente” em uma casa no metaverso. Em mundos virtuais como o Decentraland, as pessoas se envolvem nas mesmas atividades que fariam na vida real.  

Por exemplo, eles decoram suas casas com obras de arte, passeiam com amigos, visitam galerias de arte e museus e participam de eventos. As pessoas têm avatares que se assemelham muito à vida real – às vezes um pouco mais aprimorados.
Se você entende de imóveis, também entenderá a abordagem de investimento para a versão virtual. Assim como você deseja ter um portfólio de investimentos diversificado para imóveis do mundo real, o mesmo vale para propriedades do metaverso. Mesmo em seus estágios iniciais, os imóveis virtuais estão se tornando uma classe de ativos comparável aos imóveis tradicionais. 

 

Propriedades da vida real e virtuais são surpreendentemente semelhantes 

Atualmente, as propriedades mais populares nos metaversos estão nos bairros centrais. Quanto mais conteúdo um metaverso tiver, mais movimentado ele será e mais valerá a pena. O mesmo conceito de como os imóveis nas principais áreas metropolitanas, como Nova York e Los Angeles, são muito mais caros do que os subúrbios vizinhos, também pode ser aplicado aos imóveis digitais. E assim, os desenvolvedores desses espaços virtuais estão atentos à arquitetura e personalidade de cada cidade virtual. 

Finalmente, ambos os tipos de imóveis compartilham uma coisa importante em comum: a escassez. Cada metaverso tem um número limitado de “parcelas”, que são basicamente como acres de terra, mas na esfera NFT. É por isso que os metaversos populares vêm com um preço alto – eles são uma mercadoria quente, mas não são suficientes para todos que os querem.  

Surpreendente para a maioria, algumas das propriedades virtuais mais caras vêm com hipotecas com taxas de juros. Isso não é tudo: os proprietários podem “alugar” suas casas virtuais para inquilinos.  

A única diferença é que, nos metaversos, essas decisões financeiras são baseadas em software de finanças descentralizadas (DeFi), que são programas financeiros baseados em blockchain que usam fluxos de trabalho automatizados para ajudar os consumidores a tomar decisões inteligentes sobre dinheiro. 

 

Unindo os dois mundos (NFT e mercado imobiliário)

As propriedades virtuais e da vida real são tão semelhantes que houve um incidente de um NFT vindo com uma casa real. O agente imobiliário californiano Shane Dulgeroff comprou e renovou um duplex e depois contratou um artista gráfico para fazer uma réplica digitalizada dele que se transformou em um NFT. A pessoa que comprou o NFT também ficou com a casa que inspirou a obra de arte. 

 

Exemplos de NFT imobiliário no Brasil 

NFT e mercado imobiliário brasileiro

O Brasil ainda está muito distante de aderir à tendência dos NFTs imobiliários de forma expressiva. Porém, já temos dois exemplos no país de comercialização através da tecnologia que provam que NFT e mercado imobiliário estão conectados também por aqui. 

Em 2021, uma gaúcha de 82 anos usou NFT para comprar 20% de um apartamento. Com a aquisição, Lenita Ruschel passou a receber aluguel proporcional à participação no imóvel.  

A proposta surgiu da imobiliária. Como Lenita nunca conseguiu juntar dinheiro suficiente para comprar um apartamento e não queria adquirir um financiamento, a imobiliária propôs que ela comprasse parte do imóvel. A gaúcha tornou-se, dessa forma, a primeira pessoa no Brasil a ter a propriedade digital de um imóvel.  

Com a aquisição, ela passou a ter direito a 20% do valor de locação, sendo que essa participação poderá aumentar se ela comprar mais partes do imóvel. Apenas com a quitação total, a escritura do imóvel passará para o nome de Lenita.  

Também em 2021, um experimento artístico foi demolido e eternizado em blockchain. O projeto contou com 73 grafiteiros que realizaram mais de cem obras de arte numa casa que estava prestes a ser demolida, no Morumbi, em São Paulo.  

A construtora responsável pelo imóvel foi procurada por Alexandre Travassos e Rodrigo Loli, os idealizadores do que eles chamam de Casa NFT. A casa seria demolida para que um condomínio com seis casas fosse erguido.  

Alexandre e Rodrigo decidiram ressignificar a casa de mais de mil metros quadrados. O imóvel foi demolido em agosto de 2021, mas se transformou em uma galeria de arte no mundo virtual e todas as obras foram registradas e eternizadas no blockchain. A construtora ficará com 5% de cada obra vendida. 

 

Você já conhece o CV?    

Este conteúdo gratuito é oferecido para você pelo CV CRM – Construtor de Vendas, o único CRM 5.0 do mercado imobiliário da venda ao pós-venda. Contando com as soluções de prospecção, venda, relacionamento, gerenciamento e integração, o CV CRM te permite ter um panorama total da sua gestão comercial na tela do computador.     

Da prospecção de leads à prestação de assistência, você garante otimização e agilidade em todos os seus processos internos. Acesse o site do CV e saiba mais!      

Para conhecer mais sobre mercado imobiliário, gestão de vendas, corretagem de imóveis e outros assuntos atuais, acompanhe o blog e nos siga no Instagram.    

Está achando que acabou? Não mesmo! Acompanhe outros posts aqui no Blog do CV! 

Você também vai gostar de:

Olá, cliente!

Gostou do CV e quer descobrir mais sobre nossas possibilidades? Entre em contato com a gente via Chat ou WhatsApp e saiba como podemos te ajudar!

WhatsApp

Entre em contato pelo WhatsApp CV!

Chat Online

Entre em contato pelo Chat Online CV!

Voltar

Solicite Demonstração